Pular para o conteúdo principal

Pesquisa traça perfil dos adolescentes em cumprimento de medidas socioeducativa em Santarém

Por Edna Nunes, Assessoria UNIPOP

O Programa de Promoção e Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes em Instituições Assistenciais e Judiciais do Estado do Pará (Pró-DCA), coordenado pelo Instituto Universidade Popular (Unipop) e financiado pela União Europeia, apresenta nesta sexta-feira, 1º, em Santarém, o resultado de uma pesquisa que mapeou o perfil dos adolescentes que cometeram atos infracionais e cumprem medidas socioeducativas no município.

A apresentação dos dados será feita pelo coordenador do Pró-DCA, Max Costa, durante o “Seminário Regional Adolescentes - Direitos em  risco: um olhar sobre o atendimento socioeducativo no município de Santarém”, que acontece neste dia 1º, das 15 às 18 horas, no auditório da Faculdade Integrada do Tapajós (FIT).

Além dele, foram convidados para o evento a juíza Josineide Medeiros, da Vara da Infância e da Juventude, a secretária municipal de Trabalho e Assistência Social, Ana Elvira Teixeira, o promotor da Infância e da Juventude do Ministério Público do Estado, Mauro Moraes, a gerente do Centro Socioeducativo do Baixo Amazonas (Ceseba), Alcidea Teixeira e a mestra em Serviço Social, Jandira Silva.

Pesquisa 
De acordo com os dados da pesquisa que serão divulgados, 33% dos adolescentes que cumprem medidas socioeducativas em Santarém são reincidentes e quase 60% revelaram envolvimento com drogas. Entre os entrevistados, 100% sequer concluíram o ensino fundamental e 78% não têm conhecimento de seus direitos. A pesquisa mostrou, ainda, que dentre os atos infracionais destacados na pesquisa, aparecem assalto/roubo (55%), tentativa de homicídio (22%) e latrocínio, ou seja, roubo seguido de morte (11%).

Segundo Max Costa, a pesquisa apontou ainda que no Estado do Pará, incluindo em Santarém, nenhuma unidade de atendimento socioeducativo atende aos parâmetros do Sistema Nacional de Atendimento Socioeducativo (Sinase), que normatiza o cumprimento de medidas socioeducativas no país. “É preciso que a sociedade civil se mobilize e pressione o poder público, para que os adolescentes sejam vistos como sujeitos de direitos, como estabelece o Sinase”, afirma.

A pesquisa ouviu 20% do universo dos meninos e meninas que estão internados ou em semiliberdade em Santarém, no período de outubro de 2010 a março de 2011. Além deles, foram entrevistados os familiares dos adolescentes e os servidores e gerentes das unidades de atendimento socioeducativo. A pesquisa analisou, ainda, o prontuário dos jovens e foram preenchidos roteiros de observação sobre a estrutura dos espaços onde os adolescentes cumprem a medida.

O Pró-DCA é uma iniciativa que pretende contribuir para a garantia de direitos e enfrentamento a todas as formas de violência contra crianças e adolescentes no Brasil. A partir dele, a Unipop deseja fortalecer a cooperação e a articulação entre organizações da sociedade civil, comunidades e órgãos públicos do Estado do Pará, para a efetivação do Sistema de Garantia de Direitos e redução de todas as formas de violência contra crianças e adolescentes, sobretudo, das que estão sob a tutela do poder público.

Coordenado pela Unipop, o Pró-DCA é financiado pela União Européia e Christian Aid e conta com a parceria da SDDH, Sódireitos, Movimento República de Emaús, Cedeca/Emaús, Centro de Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente no Pará (Cedca), Fórum DCA e Famcos.

Serviço:Assunto: Seminário Regional “Adolescentes – direitos em risco: Um Olhar sobre o Atendimento Socioeducativo no Município de Santarém”
Local: Auditório da Faculdade Integradas do Tapajós (FIT), localizada na Rua Rosa Vermelha, Nº 335, bairro Aeroporto Velho, Santarém
 Contato: Max André – (91) 8125-8836/ 87121393/ (93) 3524-5110 – escritório da Unipop em Santarém
Assessoria de Comunicação: Edna Nunes – (91) 8827-6531

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Edital seleciona projetos de comunicação feita por Jovens

Fonte: MinC
Para incentivar os jovens a produzir comunicação e cultura em todo o país, o Ministério da Cultura distribuirá 60 prêmios, de R$ 14 mil cada, para iniciativas inéditas. Podem concorrer jovens entre 15 e 29 anos, incluindo estrangeiros que moram no Brasil há mais de três anos. O projeto investirá R$ 1,1 milhão para iniciativas em todas as mídias, de preferência em formato livre de licenças, feitas por jovens, para fomentar a cultura e revelar a diversidade do país.
Serão aceitos projetos em áudio, imagem, texto, vídeo e multimídia que não tenham tido financiamento direto e não estejam subordinados editorialmente a empresas de comunicação. As inscrições vão até 7 de novembro, por meio do site www.cultura.gov.br, ou pelo e-mail comunicadiversidade@gmail.com. Serão aceitas inscrições em vídeo e voz, de celular.
No lançamento, nesta quinta-feira (7/8), do edital do Programa Comunica Diversidade 2014: Edição Juventude, no Rio de Janeiro, o secretário de Políticas Culturais do Mini…

Quem disse que só mãe sabe cuidar dos filhos??

"São os ventos da mudança"...



E ainda falam mal da justiça juvenil

Quem alguma vez ouviu falar nos últimos anos de mutirão judiciário relacionado a adolescentes que cometem atos infracionais?? 
Lembrei disso ao ler reportagem sobre o mutirão judiciário que ocorre em todo  Brasil, e passou pelo Pará esta semana. As varas civil e criminal são as mais abarrotadas de processos, e isso não ocorre com frequência na Vara da Infância e Juventude dos estados porque o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), em seu artigo 183, define um prazo máximo de 45 dias corridos para a finalização de todo o processo de apuração do ato infracional, sendo improrrogável. 
E ainda falam mal do ECA!!